Banner do Site Página Inicial Fale Conosco Como Implantar o Pair Objetivos do Pair Sobre o PAIR
ANA
PAIR
Como implantar

Para que o PAIR seja implantado nos municípios é preciso realizar seis ações estratégicas que estão previstas em sua matriz metodológica, sendo elas:

1. Articulação Político-Institucional: Consiste de reuniões de articulação com gestores municipais e sociedade civil nos estados e nos municípios escolhidos, com a finalidade de apresentar da proposta de trabalho do PAIR e promover a mobilização das forças locais para esse processo.

2. Diagnóstico Rápido Participativo (DRP): É o geoprocessamento das demandas e geo-referenciamento dos serviços e programas existentes no município. Os resultados devem ser apresentados durante a realização dos Seminários para Construção dos Planos Operativos Locais (próxima ação estratégica), servindo como subsídio para a análise da realidade local e o estabelecimento coletivo de estratégias para sua superação.

Consulte:

00 - Manual de Aplicação - Entrevistas DRP

01 - Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

02 - Defesa e Responsabilização

03 - Atendimento e Prevenção

04 - Comunidades


05 - Movimentos Sociais


06 - Roteiro para elaboração do Relatório Final

07 - Diagnóstico Estrutural dos Conselhos Tutelares


3. Seminário para Construção do Plano Operativo Local: Após apresentação de resultados de pesquisas e do DRP, o trabalho é estruturado de maneira a privilegiar a construção coletiva, em oficinas orientadas pela lógica dos seis eixos preconizados no Plano Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual Infanto- Juvenil. Cada grupo discute e propõe três problemas e ações a serem incluídos no plano operativo. Ao final do Seminário é eleita a Comissão de Coordenação e Monitoramento do Plano Operativo Local.

Consulte:


01 - Apresentação Seminário - POL


02 - Orientações para o Seminário


03 - Ficha de Inscrição


04 - Sondagem Inicial


05 - Modelo Plano Operativo Local (POL)


4. Capacitação da Rede: A capacitação da rede é uma das atividades mais extensas previstas no PAIR. É vista como uma das estratégias de maior impacto, uma vez que prevê o envolvimento de todos os segmentos da rede de proteção e do sistema de garantias em sua operacionalização (profissionais da assistência, educação, saúde, defesa e responsabilização, turismo, transporte, mídia, etc.). Oferece uma carga horária total de sessenta horas-aula, das quais quarenta horas devem ser destinadas à formação e informação do capacitando e vinte horas de treinamento em serviços (oficinas específicas).

Consulte:

01 - Matriz Pedagógica

02 - Sondagem Final



5. Assessoria Técnica: Consiste no suporte técnico para os operadores da rede dos municípios (CREAS, Conselhos Tutelares, CAPS e Comissão Local, etc.) visando o desenvolvimento de metodologias de atendimento às crianças e aos adolescentes vítimas de violência mais eficazes.

Consulte:

01 - Assessoria Técnica


6. Monitoramento dos Planos Operativos Locais:  visitas periódicas aos municípios com objetivo acompanhar o nível de execução das Ações previstas nos  Planos Operativos Locais, instrumento que servirá  de base para a realização do monitoramento e avaliação. Para tanto, devem ser utilizados formulários específicos, sendo a Comissão Local a interlocutora desse processo.

Consulte:

01 - Monitoramento e acompanhamento


 

LEDES/FACOM/UFMS - Laboratório de Engenharia de Software da Faculdade de Computação - UFMS FACOM/UFMS - Faculdade de Computação - UFMS UFMS - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul Programa Escola de Conselhos - PREAE/UFMS Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente  Instituto Aliança 
Imagem Base do Layout